Chill talk - Se identificar com personagens

by - novembro 10, 2017


Este é o último post da Semana Especial "Tartarugas até lá embaixo" e resolvi trazer uma vibe mais chill para poder conversar e compartilhar algumas coisinhas contigo. 

Acho que já falei diversas vezes por aqui que uma das coisas que eu mais gosto nos livros do John Green são os personagens. Geralmente, em seus livros, ele consegue colocar vida no papel. É possível imaginar que você está ali ou que aquele personagem é o seu melhor amigo. 

Em Tartarugas até lá embaixo, ele fez um trabalho excelente dando vida a Aza, uma adolescente que tem TOC e enfrenta diversas barreiras todos os dias. A Aza é de suma importância para vários leitores futuros que irão conhecê-la e  poderão se identificar com seus desafios. Através dela, muitas pessoas poderão entender o que está acontecendo e buscarão ajuda.

Quando li este livro, refleti bastante sobre a questão da identidade do leitor com o personagem e o quanto isso é necessário em diversas situações. Não é atoa que lutamos para ver mais personagens negros, gays ou gordos. Nós sentimos essa necessidade de identificação e quanto mais próximo o livro consegue alcançar o leitor, melhor ele é.

Felizmente, nos últimos tempos, temos visto mais e mais autores preocupados com a questão da representatividade e, consequentemente, com a identificação do leitor com os seus personagens. Hoje, no mercado editorial, a cada dia tem crescido o número de publicações com um olhar diferente. São livros para todos os gostos, cores e amores. Estou tão feliz com este momento que só posso desejar que cada Aza, Ana, Luna ou João, encontrem seus Matheus, Bias, Janas ou Nandos. Então,  obrigada John Green, um cheiro pra ti e nos lemos por aí.

Ps. Não esquece de participar do sorteio que está rolando por aqui valendo um exemplar de "Tartarugas até lá embaixo".

You May Also Like

0 comentários